16 de mar de 2010

Recicla total!

Estava à toa na net, comecei a pesquisar sobre reciclagem, e achei "coisas" bárbaras que valem a pena ser feitas!

Recicle suas lâmpadas transformando-as em luminárias.







Fonte: http://rodrigobarba.com/blog



15 de mar de 2010

Dry Wall? Heim? O que?

A pouco tempo me mudei para um condomínio onde os cinco blocos de apartamentos foram construídos em "Dry Wall", como Arquiteta, já sabia do que se tratava, porém percebi a curiosidade do meu marido e a dificuldade de entender como tinha uma parede em nossa casa que não era de "tijolo" e sim gesso!
Devido a tantas perguntas, resolvi falar aqui um pouquinho sobre esse sistema construtivo.

Drywall é uma tecnologia que substitui as vedações internas convencionais (paredes, tetos e revestimentos) de edifícios de quaisquer tipos, consistindo de chapas de gesso aparafusadas em estruturas de perfis de aço galvanizado. Esta tecnologia já é utilizada na Europa e nos Estados Unidos há mais de 100 anos e no Brasil este sistema veio ganhando espaço nos últimos anos em função da instalação em nosso país de três grandes fabricantes europeus do sistema : LAFARGE ( francesa ), PLACO ( francesa ) e KNAUF ( alemã ).

O sistema Drywall consiste numa edificação de paredes de gesso que são mais leves e com espessuras menores que as das paredes de alvenaria. São chapas fabricadas industrialmente mediante um processo de laminação contínua de uma mistura de gesso, água e aditivos entre duas lâminas de cartão. Tais sistemas são usados somente em ambientes internos das edificações, para os fechamentos externos, o sistema deverá utilizar perfis de aço estruturais ( steel frame ) e chapas cimentícias (resistentes à ação de ventos e chuvas ).

O método está sendo muito utilizado na construção civil, principalmente para áreas comerciais. As paredes de gesso drywall permitem instalações elétricas e hidráulicas através do sistema de fixação a polvora em tetos ou aparafusadas em perfis de aço galvanizado. Além disso, adaptam-se a qualquer estrutura, como aço, concreto ou madeira.

A montagem do Sistema Drywall é fácil, com redução de prazo de entrega e, consequentemente, custos menores. Com o sistema, há um ganho de área útil que pode chegar a 4% a cada 100 m² e as paredes têm superfície lisa e precisa, diminuindo custos na preparação da superfície para a pintura.

Como as paredes são mais leves que o sistema de alvenaria tradicional, o sistema de parede de DRY WALL mais simples ( W-111 que corresponde a uma linha de perfil e uma chapa de cada lado ) pesa cerca de 25Kg contra 150 kg de uma parede de alvenaria, consegue-se com a utilização deste sistema uma redução no custo das fundações e estruturas da edificação.

As chapas de gesso devem ser produzidas de acordo com as seguintes Normas ABNT(Associação Brasileira de Normas Técnicas): NBR 14715:2001, NBR 14716:2001 e NBR 14717:2001.









Fonte: wikipedia

Como acertar ao escolher a cor das paredes?

Escolher a cor das paredes é um importantíssimo passo, que determinará toda a decoração. Além disso, é vital para fazer com que um cômodo pareça mais amplo, alegre, luminoso, quente.

Cores e suas influências:

Amarelo, alegre e vital: inunda sua casa de luz.
Laranja, fonte de energia: personaliza cada canto.
Vermelho, vital e envolvente: mostra personalidade.
Verde, luminoso e fresco: produz um efeito calmante.
Azul, relaxante e tranqüilo: ajuda a conciliar o sono.
Lilás e rosa, toque ingênuo: casa muito bem com o branco.
Branco, paz: multiplica a luz e o espaço.
Creme e bege passam serenidade e realçam a decoração.
Tons terra, muito quentes: ambiente natural e sóbrio.
Preto, ausência de cor.

Mais dicas no site: www.artezanalnet.com.br

11 de mar de 2010

Casas do Tarzan...



A empresa alemã Baumraum juntou um arquiteto, um paisagista, um especialista em árvores e um artesão cheio de idéias para transformar em realidade, incríveis casas em árvores. Para isso, não bastava criatividade e técnica, era preciso muito mais. Cada projeto é desenvolvido e avaliado individualmente, levando em conta uma série de fatores, como a interferência ambiental, o tipo e as condições estruturais das árvores e a dimensão do projeto. A idéia é transformar cada residência em uma harmoniosa integração entre homem e natureza, mas para isto, não podem haver riscos para o meio-ambiente.
As casas são fabricadas em diversos tipos e tons de madeira (certificada), à escolha do futuro morador, e podem ter inclusive isolamento térmico nas paredes. Alguns projetos envolvem incríveis manobras para que as árvores não sofram danos e fiquem perfeitamente misturadas às residências. Cada parte é pré-fabricada em uma oficina e depois de reunidas, são montadas de uma só vez.
Dependendo do projeto elas podem vir com móveis, mini-cozinha, depósitos, aquecimento, luz e até sistema de som multimídia. A segurança, tanto das casas, quanto das árvores, fica a cargo de tirantes e cordas, ou de palanques e pilastras quando não existe a possibilidade dela ser totalmente encaixada no tronco. Além de serem construídas para servir como moradia, inúmeras empresas, parques, hotéis, entre outros, de todas as partes do mundo, utilizam as criações fabulosas da Baumraum.

















Leia mais: http://obviousmag.org/archives/2008/06/casas_do_tarzan.html#ixzz0htfuVVmp

Single Hauz - habitações singulares



Este bizarro objeto no meio da paisagem que lembra vagamente uma tabuleta é na verdade um projeto arquitetônico dos polacos Front Architects que se destina a ser implantado em qualquer local: na cidade, na planície, na montanha, num lago, etc. É como uma estaca que se crava no solo, em terra firme ou na água. O conceito denomina-se Single Hauz - literalmente, habitação para uma pessoa - e pretende preencher uma lacuna ao nível da oferta de habitações para solteiros, um grupo social cada vez maior nas sociedades ocidentais.

É uma proposta singular e arrojada. À primeira vista pode parecer tecnicamente inviável, sobretudo no que toca à estabilidade de um grande volume apoiado num pilar de betão face ao vento ou a qualquer tipo de intempéries. Essa é, no entanto, a questão mais pacífica. Mais importante é saber como se articula com as diversas infraestruturas próprias de uma habitação moderna - acessos, água, eletricidade, esgotos - bem como o seu posicionamento relativamente a outros equipamentos. Neste aspecto é mais controversa.

Se, porém, o atual modelo social e urbano estiver em colapso - e muitos pensam que está - então será necessário encontrar alternativas ao nosso modo de vida. Viver só será então uma opção; dispor de pouco espaço um constrangimento, trabalhar à distância um hábito, habitar uma casa auto-sustentável uma necessidade. Neste prisma, a Single Hauz não se torna somente interessante como também visionária.










Leia mais: http://obviousmag.org/archives/2007/08/single_hauz_hab.html#ixzz0htWW6tBd