8 de ago de 2012

Um mapa do melhor da arte de rua hoje

Uma das capitais mundiais da street art, São Paulo assistiu nas últimas semanas à transformação de três de suas empenas – aquelas paredes laterais, sem janelas, de prédios antigos – em verdadeiras obras de arte. A ação é uma espécie de evolução da Lei Cidade Limpa, que reduziu a poluição visual da cidade e liberou espaço para outros tipos de interferências na paisagem, como os três grafites que agora ocupam edifícios da avenida Paulista, da rua da Consolação e da avenida Brigadeiro Faria Lima.Para atestar o crescimento dessa modalidade de arte urbana e brindar iniciativas do gênero, a Casa Vogue listou dez dos mais impressionantes grafites a colorir edifícios e cidades de todo o mundo. Postarei algumas imagens pra vocês! Vejam!

São Paulo
Autor: Rui Amaral
Das três obras recentemente realizadas pelas ruas de São Paulo, o destaque fica por conta do grafite feito por Rui Amaral na parede lateral de um edifício na avenida Paulista. Sua inserção na fachada valoriza a arquitetura, além de fazer uma menção à empresa que patrocina a ação nas empenas paulistanas. Essa iniciativa, aliás, está em uma nova etapa, em que o público poderá escolher aqui dois entre quatro artistas – Morandini, Glauco Diógenes, Reynaldo Berto e Mário Níveo – que pintarão novos painéis na avenida Prestes Maia, Centro, e na rua Clodomiro Amazonas, Itaim Bibi.
Moscou, Rússia
Autor: Alexandre Farto
Conhecido como Vhils, Alexandre Farto é chamado pela imprensa europeia de "O Banksy Português", em referência ao famoso grafiteiro britânico, que popularizou a street art. Com apenas 23 anos, o artista luso começou seu trabalho nas ruas de Lisboa, criando esculturas e retratos a partir de técnicas que vão do uso de explosivos a simples pinceladas de tinta. Em comum, as obras têm o fato de retratarem pessoas anônimas das grandes cidades.
Atlanta, EUAAutor: Roa
Desde 2010, a cidade norte-americana de Atlanta realiza o Living Wall Conference, festival inteiramente dedicado ao grafite e à street art. Em 2011, a lateral de um galpão centenário foi transformada no lar de um crocodilo que se mantém imóvel em uma posição pouco provável, com as patas voltadas para o alto.
Katowice, Polônia
Autor: Escif
A cidade polonesa de Katowice também possui seu festival de arte de rua e, em 2012, o destaque foi a obra realizada pelo coletivo espanhol Escif. Trata-se de um interruptor gigante que questiona o uso excessivo da tecnologia pela sociedade contemporânea. O tom acinzentado do mural salienta a inércia dessa dependência.

Fonte: Casa Vogue

Nenhum comentário: