7 de nov de 2013

A TV...

Você provavelmente já ouviu aquele aviso de que muita televisão pode afetar a visão, certo? E é claro que exagerar no tamanho do equipamento só iria piorar ainda mais esse quadro.
Para não ter erro, vale usar a regrinha abaixo, que encontrei no site Tech Tudo
Fonte: http://colunas.revistaglamour.globo.com/referans

6 de nov de 2013

PORTAS VENEZIANAS

A gente torce o ano inteiro pro verão chegar logo, mas quando ele finalmente aparece é inevitável reclamar um pouquinho do clima abafado, da pouca ventilação… E realmente é difícil encontrar o ponto perfeito entre o calor e o frio — a casa ideal não seria aquela que aquece no inverno e refresca no verão? A sorte é que existem alguns truques de projeto que podem ajudar a extrair o melhor de cada estação. Um deles é a porta veneziana.
O recurso costuma ser explorado em casas de campo ou no litoral, mas se amor de praia não sobe a serra, a arquitetura praiana sim. Ainda é algo um pouco inusitado, mas quem mora em apês urbanos também pode usar venezianas como divisórias dentro do imóvel. Elas substituem as portas de correr tradicionais e trazem privacidade sem comprometer a ventilação constante — seja nas versões com palhetas fixas ou nos modelos móveis, em que o controle de abertura é ainda maior.
Quando as portas venezianas são instaladas no sistema camarão, elas permitem que o vão seja aberto quase por completo, como nas fotos abaixo. Aproveite as inspirações e considere essa opção ao invés das portas de correr — pra pensar diferente e ter a casa sempre fresquinha no verão.




Fonte: http://colunas.revistaglamour.globo.com

Balancinho bom

Pode parecer sonho bobo de criança, mas eu sempre quis ter um balanço em casa: fosse no jardim, no meio da sala ou perto da cama. E não é que tem gente que realiza esse sonho sem medo de preconceitos? Folheando revistas de decoração, eis que de repente aparece um balanço em algum lugar inusitado. E aí pronto! A minha vontade de ter um aumenta de novo. De certa forma eles são uma maneira de manter a infância viva e ainda nos lembram que nem sempre precisamos levar tudo tão a sério.
Vai dizer que se balançar uns 15 minutinhos por dia não te traria uma sensação libertadora? Só não vale usar em espaços muito apertados, porque o risco de derrubar vasos, móveis e cacarecos seria grande. E também é bom chamar um profissional para instalar os ganchos no teto — afinal ninguém quer causar um acidente doméstico.


As redes de balanço fazem parte da identidade brasileira desde sempre. Elas são uma herança indígena superpresente nas casas contemporâneas — e não só nas áreas externas não. Uma sala de estar maiorzinha, uma varanda integrada e até um quarto nem tão grande assim já conseguem acomodar uma delas. E a vantagem é que as redes podem ser recolhidas em um dos ganchos quando não estão em uso.


Quem não tem tanto espaço assim para balançar ou que simplesmente prefere um visual mais “adulto”, pode recorrer às cadeiras suspensas, que normalmente ficam em um cantinho do cômodo e são fixadas em apenas um ponto no teto.


Fonte: http://colunas.revistaglamour.globo.com